Trombofilia poderá ser custeada pela rede SUS em Mato Grosso

Trombofilia poderá ser custeada pela rede SUS em Mato Grosso

Redação | Estadual

Divulgação
Anuncio

A Trombofilia é uma doença hereditária ou pode ser adquirida em decorrência de outras condições clinicas, até mesmo pelo uso de anticoncepcionais. Trata-se de uma predisposição para desenvolver trombose, age na produção de anticoagulantes naturais do organismo, favorecendo assim a formação de coágulos.

Deputado estadual Dilmar Dal Bosco (DEM) sensibilizado com o assunto, foi procurado e apresentou uma indicação ao governador Mauro Mendes e ao secretário estadual de saúde, Gilberto Figueiredo solicitando a necessidade de garantir a toda mulher, usuária da rede pública de saúde do estado de Mato Grosso, o direito de realizar gratuitamente os exames genéticos que detectam a Trombofilia e seu respectivo tratamento.

“A saúde é um direito de todos e é dever do estado, garantido mediante políticas sociais e econômicas e que visem à redução do risco de doença e de agravos e nós, como representantes do povo neste Parlamento, acolhemos com grande empenho esta reivindicação, devido à importância e relevância que o assunto impõe e tenho certeza de que essa medida contribuirá com melhores condições de vida para toda a população mato-grossense” disse Dilmar.

Dilmar explicou que a solicitação foi da criadora do Projeto Hope, Aline Priscila Ferreira Carvalho, e contou com a iniciativa da turismóloga, Juliana Centena, e explicou que o acompanhamento médico adequado, a realização do tratamento, juntamente os exames complementares para avaliação, propicia à estas mulheres a realização do sonho da maternidade.

“A mulher portadora de Trombofilia pode desenvolver a trombose e outras alterações em qualquer período da vida, durante a gravidez, o parto e pós-parto e precisamos ressaltar que o diagnóstico tardio pode levar o óbito, o diagnóstico e tratamento precoce são essenciais e deve ser iniciado antes da gestação para diminuir os riscos de complicações, em especial, no final, momento em que é comum a evolução de pré-eclâmpsias e problemas de insuficiência placentária levando o feto a óbito” finalizou Dilmar.

O município de Sinop aprovou em 25 de agosto de 2020, a Lei 2.893, que dispõe sobre o direito de toda mulher à investigação, ao exame genético que detecta a Trombofilia e tratamento.