Cuiabá - MT | Quinta-Feira, 23 de Setembro de 2021

Cuidado com as cobras

Cuidado com as cobras

Assessoria

Quando estamos em algum parque ou em um passeio em meio à natureza, é aceitável recebermos a visita de alguns animais, visto que estamos em seu habitat. Se visitarmos o Pantanal, vamos observar alguns animais, como: pássaros, inclusive o símbolo da região, que é o tuiuiú, dentre outros animais.

Imagine que você está no Pantanal mato-grossense, e ao andar por este lugar, se defronte com várias cobras, que tentam te picar. Qual seria a sua reação? Ficar parado esperando a picada? Pegar um pedaço de pau e se defender? Ou fugir com todas as suas forças? Se nós nos considerarmos pessoas normais, é provável que fugiremos dessa situação desconfortável, ou, quem sabe, utilizaremos algum instrumento de defesa.

Por que não temos atitudes “normais” como essas em nossas vidas quando ocorre a situação descrita? Por que, ao invés de nos defendermos diante de cobras humanas, procuramos estar próximos a pessoas com essa natureza e características?

Tenho visto e observado muitas pessoas sendo picadas por cobras humanas e, sem entender, são vítimas do que isso lhes acarreta: desgastes e mágoas.

Saia! Fuja! Não é preciso enfrentá-las e nem se defender, pois pode ter certeza que o maior desgaste será da sua parte. Não estou aqui defendendo a covardia, mas sim mostrando uma nova forma de pensar e de cuidar de si mesmo.

Lembre-se que o habitat das cobras é a zona de conforto delas e não de pessoas boas e de caráter como você. Que busquemos forças para fugir das cobras humanas desta vida. Que aceitemos que o melhor caminho é não as enfrentar, mas agir com prudência e sabedoria, pois certamente Deus estará à frente, defendendo os justos e os bons de coração.